Está em busca de informações sobre o que é Certificado Digital e qual melhor atende suas necessidades em relação à Receita? Pois bem, acessar certidões, mudar dados cadastrais ou até mesmo uma simples consulta exigem essa adequação.

São dois os modelos de Certificado Digital: A1 e A3. Deveria ser simples optar por um deles, não concorda? Mas não é.

Primeiro, devemos explicar o que é o Certificado Digital.

De forma resumida, podemos te dizer que o Certificado Digital contém dados que comprovam quem está utilizando determinado serviço e faz sua autenticação, na tentativa de evitar fraudes. A resposta pode parecer simples, mas toda a tecnologia envolvida é complicada para nós.

São vários os “produtos” disponíveis: e-CPF, e-CNPJ, NF-e (já bastante popular, não?) e NFC-e. E, para complicar um pouco mais, há dois tipos possíveis – nunca que simultâneo: A1 e A3.

O Certificado Digital é uma assinatura, tanto de pessoa física ou jurídica, no modo digital. Ela tem validade jurídica e garante a segurança em vários tipos de transações e serviços via internet realizados por você.

Notas Fiscais Eletrônicas (NF-e), Cupons Fiscais Eletrônicos (CF-e) e Comprovantes de Transporte Eletrônicos (CT-e) são algumas das ferramentas que exigem sua autenticação. Acessar ambientes seguros, movimentar conta bancária, enviar declarações de Imposto de Renda também são beneficiados.

E quais as principais diferenças entre as variações A1 e A3?

Basicamente muda o lugar de armazenamento. O A1 é digital e o A3, físico. Como assim?

O Certificado Digital A1 é gerado via software, ou seja, é um registro instalado em um servidor da sua empresa, rede doméstica ou em seu computador. Depois de instalado, pode ser utilizado diretamente no sistema.

O interessante é que ninguém precisa permanecer sabendo da senha, portanto a possibilidade de cair em mãos de terceiros é remota.

Se você quiser saber mais a fundo sobre os Certificados Digitais, leia o artigo “Certificado Digital: o que é quais são os tipos?”

Por que optar pelo A1?

  • Comodidade

O A1 é um registro digital e permite a instalação em diversos PCs ou dispositivos, sem limites. Ou seja, com exclusivamente um certificado, uma empresa inteira pode fazer o seu uso simultaneamente.

Enquanto isso, o A3 é físico, tendo premência de hardware de leitura do cartão. Por essa particularidade, só pode ser utilizado em um único PC ou dispositivo por vez. A não ser que a empresa compre um Certificado Digital A3 para cada um, o que elevaria consideravelmente os custos.

  • Custo

O Certificado Digital A1 exige um investimento médio de R$ 190,00 e vale por um ano. Já o A3 é por volta de R$ 670,00 e tem vencimento para 3 anos.

Em um cenário que a empresa mantenha cinco computadores em um período de 3 anos, as contas seriam mais ou menos assim:

Com o certificado A1, seria um investimento de R$ 190,00 por ano, chegando a R$ 570,00.

Com o certificado A3, seriam cinco vezes o valor de R$ 670,00, totalizando R$ 3.350,00 por igual período. s seguro, outros o A1 pela mobilidade.

  • Captura automática de XML

Quem possui Certificado Digital A1 consegue, desde que contrate um sistema específico para isso, baixar automaticamente – diretamente do SEFAZ Nacional – todos os arquivos XML emitidos contra seu CNPJ.

O A3 até deixa fazer o download, mas é um processo manual.

Que tal ler esse artigo: “Por que investir agora em sistema de captura e gerenciamento de XML?”

  • Segurança

É geral ouvirmos que o certificado A3 é mais seguro, já que se baseia em um cartão físico e é ele quem gera a autenticação para que o usuário possa ter acesso aos serviços da Receita Federal.

Entretanto, por ser pequeno e com isso “portátil”, não se sabe onde ele pode chegar. Enquanto isso, o A1 dá para tornar seguro com uma senha de administrador e acessar remotamente via servidor.

 

Comentários

Comentários

Share
This